Cícero vai à tribuna reclamar de perseguição política na Paraíba

"A prática da perseguição política, uma das filhas da intolerância, vem marcando o dia a dia do atual governo do estado da Paraíba", foi o que disse o senador Cícero Lucena (PSDB-PB) ao denunciar a implantação de um suposto clima de "terrorismo psicológico" contra os opositores do governador José Maranhão. Ele citou como exemplo o caso da menina Vanessa, de 7 anos, filha de uma professora da rede pública.

Segundo o senador, Salésia Gomes, a mãe da garota, era diretora da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Coronel Manoel Medeiros de Araújo, em Vista Serrana, no sertão paraibano. Ela tinha como rotina acompanhar todos os dias ao colégio. Com o afastamento do então governador Cássio Cunha Lima e a posse do substituto José Maranhão, determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral, a situação mudou.

– Em sua inocência, a pequena Vanessa soube, de um momento para o outro, que sua mãe já não era mais diretora. Foi informada que dona Salésia, servidora concursada, voltaria para a sala de aula, ministrando inglês na parte da noite. Sem maiores preocupações, a garotinha tentou manter sua rotina: seguiu para a escola. Teve um tremendo choque: foi informada, de forma raivosa, que a partir daquele dia ela estava proibida de frequentar a unidade escolar – denunciou Cícero Lucena.

A própria Vanessa contou a história ao senador na semana passada, quando os dois se encontraram na casa da deputada estadual Socorro Marques e de seu filho, Monacy Marques, ex-prefeito de Vista Serrana. A menina pediu a Cícero Lucena que interceda junto ao governador atual para que ela possa poder novamente visitar a escola que um dia pretende frequentar como estudante do ensino médio.

Em aparte, o senador Romeu Tuma (DEM-SP) confessou ter ficado chocado e emocionado com o depoimento oferecido pelo senador paraibano. Ele classificou a atitude como "uma violência criminosa e uma atitude inaceitável" e sugeriu ao Judiciário que interceda no assunto.Cícero Lucena acrescentou que o fato não é isolado.

– Hoje, na Paraíba, com uma naturalidade escandalosa, todos os municípios onde o prefeito não seja aliado político do governador, o padrão é o mesmo. Ambulâncias são retiradas, viaturas são recolhidas, milhares de servidores são dispensados sem aviso prévio, convênios celebrados são suspensos e desrespeitados e todo tipo de manobra possível para dificultar o repasse de recursos é usado pelos agentes do governo Maranhão III – afirmou Cícero Lucena.

 

Agência Senado

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.