Mário Tourinho

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal


Cícero e o Centro (Caótico/Histórico) de JP

O Jornal A União, em sua edição de 11 de dezembro recente, trouxe, em seu Editorial, importante reflexão sobre o Centro da cidade de João Pessoa, cujos escritos tiveram por título a palavra “Caótico”.

De minha parte, acrescento, para reflexão pela nova gestão pessoense, que a esse Centro da capital paraibana, refletido pelo editorial de A União, a ele seja incorporado, com igual preocupação, nosso específico Centro Histórico, que nas gestões anteriores de Cícero Lucena recebeu especial atenção governamental.

Todo o texto do Editorial de A União merece ser lido, se não pessoalmente pelo próprio prefeito Cícero Lucena, que o seja por suas assessorias mais diretas, preferencialmente as relacionadas à Seplan e/ou à Sedurb e/ou à Setur… e também à Funjop, vez que mais a administração municipal dispensou atenções ao Centro Histórico (na parte representada pelas artérias da Praça Antenor Navarro e adjacências) foi exatamente no tempo em que aquele órgão (a Funjop) esteve sediado nessa área pessoense.

Porém, embora sugerindo a leitura na íntegra do referido Editorial, não posso deixar de reproduzir, desde já, alguns de seus trechos. Por exemplos:

– “O Centro de João Pessoa está de fazer vergonha a moradores e turistas que eventualmente visitam a cidade. A área do Ponto de Cem Réis transformou-se em um misto de grande feira livre e restaurante popular a céu aberto, onde de tudo se vende, principalmente frutas, comidas prontas e bebidas alcoólicas, com critérios mínimos de limpeza”;

– “O que se vende pelas ruas e avenidas centrais de João Pessoa é o que se chama de o mais do mesmo. Até as vitrines estão em extinção”;

– “O Centro até parece uma cidade sem ordenamento, onde as pessoas ditam leis e costumes ao bel-prazer”;

– “O coração da capital é considerado uma zona em decadência. É preciso uma intervenção urgente do poder público no sentido de chamar o feito à ordem. A crise econômica não justifica a balbúrdia”.

E se estou a sugerir a leitura integral do Editorial de A União, apresso-me a igualmente sugerir que seja lida, por óbvio também na íntegra, a tese de doutorado de Regina Celly Nogueira da Silva, aprovada na USP (Universidade de São Paulo) em 2016, sobre “A revitalização do Centro Histórico de João Pessoa – uma estratégia para a reprodução do capital”. Em relação a este estudo não cabe que aqui reproduza algum trecho, tal a profundidade nessa reflexão sobre a importância de nosso Centro Histórico, em relação ao qual certamente Cícero Lucena novamente muito voltará seu olhar e ações governamentais para fazê-lo vivo e bastante visitado.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.