Chilenos vão às urnas para escolher novo presidente

Os chilenos vão às urnas neste domingo (13) para escolher seu novo presidente e renovar parte de seu Legislativo, em uma eleição que ameaça tirar do poder a hegemônica coalizão de centro-esquerda Concertación, que governa o país desde a queda do ex-ditador Augusto Pinochet, em 1990.

As pesquisas indicam um provável segundo turno entre o candidato governista, o ex-presidente Eduardo Frei, e o concorrente do grupo direitista, o empresário Sebastián Pinera – que aparece como favorito.

"Pinera lidera as pesquisas, mas a direita ainda não ganhou as eleições e sua vitória neste domingo não é uma garantia. Em um segundo turno, muitas coisas poderiam acontecer", disse em entrevista ao G1 Pablo Policzer, professor de ciência política da universidade de Calgary, no Canadá, e autor de "The Rise and Fall of Repression in Chile"

Além dos dois grupos clássicos, apareceu nesta campanha um candidato independente, dissidente do Partido Socialista, e que conseguiu agregar aproximadamente 20% das intenções de voto. Marco Enríquez-Ominami virou o ‘nome fenômeno’ destas eleições e, mesmo que não consiga avançar para um segundo turno, seu apoio será fundamental para eleger um dos dois candidatos que passarem.

“Tudo depende da votação que Pinera obterá no primeiro turno. Se ele conseguir uns 45%, sua vitória num segundo turno será muito mais fácil e dependerá mais do próprio Piñera do que do que aconteça com Frei ou com Marco Enríquez. Mas, se ele tiver menos de 45%, aí será importante a atitude dos outros dois”, explicou em entrevista ao G1 o cientista político chileno Patrício Navia. A votação no Chile é obrigatória para eleitores registrados, e as urnas ficam abertas das 7h às 16h locais (entre 8h e 17h de Brasília).

Os primeiros resultados e estimativas de redes de TV devem sair às 19h locais (20h de Brasília), segundo as agências internacionais.
 
Além de eleger presidente e vice, os chilenos irão renovar a Câmara e metade do Senado. Segundo Navia, em 2006 a Concertación tinha maioria no Senado e na Câmara, mas, durante o governo de Michelle Bachelet, vários senadores e deputados renunciaram aos partidos que integram a coalizão e se aliaram à direita para lhe dar maioria nas Casas. Segundo as últimas pesquisas, nesta eleição a Concertación tem grandes chances de recuperar a maioria no Senado, mas a futura composição da Câmara ainda é uma incógnita. A certeza é que quem vencer a Presidência terá que negociar.
 
New York Times: O legado de Michelle Bachelet 

 
Apesar da concorrência entre os candidatos, todos parecem ter concordado no sucesso das políticas da presidente Bachelet, que deixa o governo com quase 80% de aprovação – no Chile, não há possibilidade de reeleição. Até Marco Enríquez, que deixou a Concertación, quis embarcar na popularidade da presidente e se disse seu "herdeiro". Em grande parte, esse sucesso se deve ao sábio manejo da economia durante a crise.

 

G1

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.