Candidato reclama de retirada de postulação pelo PT da Paraíba

O jornalista Dalmo Oliveira emitiu uma nota aos principais veículos de Comunicação do Estado para explicar sua saída da disputa por uma vaga a deputado federal nas eleições deste ano. No texto, ele responsabiliza o diretório municipal do Partido dos Trabalhadores pela decisão e ainda reclama de falhas graves na prestação de informações do diretório estadual da sigla à Justiça Eleitoral.  "Fui pego de surpresa com a informação de que o partido não havia me registrado como filiado, em tempo hábil, junto à Secretaria Eleitoral do TRE, o que poderia gerar minha automática desclassificação do pleito, mesmo eu estando filiado internamente a esta agremiação partidária desde o ano de 2011, inclusive com as contribuições partidárias em dia junto à tesouraria do partido".
 
Confira a íntegra do texto:
 
COMUNICADO AO POVO PARAIBANO
 
Venho, pelo presente, informar a exclusão, junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TER), de minha candidatura a deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores, por determinação da coordenação da coligação “A Força do Trabalho”. Informo, adicionalmente, que o cancelamento da candidatura se deu, supostamente, por motivos organizacionais e administrativos da referida coligação e do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores em João Pessoa, e não por minha decisão pessoal.

Nas últimas semanas fui submetido a um processo constrangedor junto à referida coligação que, por um erro de cálculo nas vagas para a disputa do cargo a deputado federal, inscreveu um número de candidatos maior do que a coligação teria direito, segundo a legislação eleitoral. Dessa forma a referida coligação descartou alguns concorrentes de cada partido coligado, e, no Partido dos Trabalhadores, minha candidatura foi a escolhida para sanar o equívoco organizacional e contábil.

Além do mais, fui pego de surpresa com a informação de que o partido não havia me registrado como filiado, em tempo hábil, junto à Secretaria Eleitoral do TRE, o que poderia gerar minha automática desclassificação do pleito, mesmo eu estando filiado internamente a esta agremiação partidária desde o ano de 2011, inclusive com as contribuições partidárias em dia junto à tesouraria do partido.
Todavia, fui submetido a um processo constrangedor pela referida coligação que, antes de qualquer julgamento do Tribunal, retirou uma candidatura legítima, que, iniciada junto ao eleitorado paraibano, se mostrava com boa aceitação e potencial de crescimento.

Frustração e impotência diante da retirada da candidatura atingiram a todas e todos, cidadãs e cidadãos comuns, das classes mais desfavorecidas e dos movimentos sociais, que juntamente comigo acreditam em ideais sociais autênticos, igualitários e democráticos.
Entrei na disputa eleitoral esse ano, pela primeira vez, consciente das prováveis barreiras econômicas, políticas e burocráticas que encontraria pela frente. Venci a maioria delas, mas não pude vencer o racismo institucional que assola as organizações partidárias, especialmente no seio dos partidos com os quais o PT da Paraíba se coligou esse ano. O descarte de minha candidatura é a prova inequívoca do preconceito que políticos profissionais nutrem em relação ao ativismo social, com os candidatos representantes das “minorias”, enfim, com a população negra paraibana, que nossa candidatura tão bem poderia representar.

Nossa intenção básica inicial era tão somente utilizar a exposição midiática que a campanha eleitoral nos proporcionaria para tirarmos da invisibilidade social na Paraíba problemas importantes que atingem negras e negros paraibanos, especialmente uma doença hereditária que possuo chamada “anemia falciforme”. Queríamos falar das dificuldades que enfrentam as comunidades quilombolas, a nação indígena Tabajara, os povos ciganos e os religiosos de matrizes sagradas afrobrasileiras.

Agradeço, penhoradamente, a todas e todos que, nos últimos meses, me apoiaram e depositaram sua fé cidadã nessa empreitada, especialmente minha família, os amigos, companheiras e companheiros mais próximos.
 
JOÃO PESSOA, EM 20 DE AGOSTO DE 2014.
 
DALMO OLIVEIRA DA SILVA
Jornalista e ativista dos movimentos sociais negros da Paraíba

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.