Câmara de João Pessoa aprova voto de repúdio contra delegado por ofensas a mulheres

Por 16 a 2, com os votos contrários dos vereadores Bruno Farias e Carlão da Consolação, a Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) aprovou na manhã desta quinta-feira (4) um voto de repúdio contra o delegado Francisco Azevedo, pela publicação de um texto com ofensas às mulheres petistas, chamadas por ele, dentre outros adjetivos pejorativos, de “safadas e rodadas”.

Bruno e Carlão justificaram o voto contrário ao requerimento apresentado pelos vereadores Sandra Marrocos (PSB) e Marcos Henrique (PT) alegando que o delegado tinha licença poética e que o texto era literário.

“Liberdade de expressão é diferente de desrespeito”, disse a vereadora Sandra Marrocos.

Dizendo que se solidarizava com todas as mulheres do PT que se sentiram ofendidas, que não concordava com o que o delegado escreveu, que foi um excesso, o vereador Carlão da Consolação afirmou, entretanto, que era preciso ponderar.

O vereador Bruno Farias disse que quem acompanha as redes sociais do delegado Francico “sabe que ele faz isso de maneira periódica. “Praticamente toda semana ele traz crônicas com natureza ou com caráter erótico. Acho que ele foi infeliz ao personalizar, mas ele teve a grandeza de pedir desculpas e de se retratar”, disse Bruno.

Ao final da votação, Sandra Marrocos externou seu contentamento pela aprovação, quase que por unanimidade, do requerimento. “Ninguém está repudiando Francisco. Ele me ligou. Ele sabe do que disse pra ele. Espero que sirva de reflexão pra ele e de lição pra outros homens ou mulheres que queiram escrever desqualificando, nesse caso foram as mulheres, mas seja as religiões, seja a questão da identidade sexual”, disse Sandra.

Ela também disse ter ficado chocada com os votos contrários de Bruno Farias e Carlão da Consolação. “Me causa estranheza a pessoa votar contrária a um voto de repúdio a uma atitude misógina, machista, que prega o ódio e, consequentemente, a violência para nós mulheres, me deixou chocada”, disse a parlamentar.

Comentários