Bolsonaro diz que Brasil é vítima de campanha ‘brutal’ sobre Amazônia e Pantanal

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (22), em discurso na Assembleia das Nações Unidas (ONU), que há uma campanha “brutal” de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal.

O discurso foi apresentado por meio de um vídeo gravado. Por causa da pandemia de Covid-19, a reunião da ONU neste ano, baseada na sede da entidade em Nova York, é virtual.

Bolsonaro foi o primeiro chefe de Estado a falar. Tradicionalmente, cabe ao Brasil abrir a etapa de discursos de líderes de países.

“Mesmo assim, somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal. A Amazônia brasileira é sabidamente riquíssima, isso explica o apoio de instituições internacionais a essa campanha escorada em interesses escusos que se unem a associações brasileiros, aproveitadoras e impatrióticas, com o objetivo de prejudica o governo e o próprio Brasil”, afirmou Bolsonaro em um vídeo gravado.

Em razão da pandemia do novo coronavírus, é a primeira vez que o encontro, baseado na sede da ONU em Nova York, ocorre por meio virtual.

Desde 1949, cabe tradicionalmente ao representante brasileiro fazer o discurso inaugural do debate-geral da ONU. Nas últimas sete décadas, chanceleres e presidentes subiram à tribuna para falar em nome do Brasil.

Esta foi a segunda vez que Bolsonaro abriu o debate geral. (Relembre mais abaixo como foi o primeiro discurso de Bolsonaro na ONU).

Programação
Conforme o cronograma, após a fala de Bolsonaro, serão transmitidos os discursos dos presidentes Donald Trump (Estados Unidos), Tayyip Erdogan (Turquia), Xi Jinping (China) e Sebastián Piñera (Chile).

A ONU informou que, para reduzir risco de contaminação pelo coronavírus, cada país terá um representante no hall da assembleia, em Nova York.

Cerca de 200 pessoas ficarão no local, o que representa menos de 10% da capacidade do espaço.

Pandemia

A pandemia será um dos temas abordados nos discursos dos chefes de Estado e de governo ao longo da assembleia geral da ONU.

Antes da abertura do debate geral, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, afirmou a jornalistas que o encontro deste ano terá entre suas prioridades a recuperação dos países após a pandemia. Mudanças climáticas também estarão na pauta.

O debate geral ocorre em um momento em que o trabalho da Organização Mundial de Saúde (OMS) é criticado por líderes de países, entre os quais, Jair Bolsonaro e Donald Trump.

O Brasil é, nesta terça-feira, o segundo país com maior número de mortes por Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, e terceiro em número de casos, segundo a universidade americana Johns Hopkins.

Na manhã desta terça, o Brasil tinha mais de 4,5 milhões de casos e 137 mil mortos, segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Primeiro discurso
Em 2019, no primeiro discurso no debate geral da assembleia da ONU, Bolsonaro defendeu a soberania do Brasil na Amazônia e criticou “um ou outro país” por se portar “de forma colonialista”. Segundo ele, a floresta permanecia “praticamente intocada”.

O presidente também desaprovou a situação política da Venezuela e de Cuba. Bolsonaro declarou que se empenhava para que outros países não experimentassem o “nefasto regime” da Venezuela.

Na área econômica, o presidente destacou os acordos firmados entre o Mercosul e a União Europeia e entre o Mercosul e a Área Europeia de Livre Comércio, além da agenda de concessões e privatizações do governo.

 

Com G1

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.