Benjamin afirma que MPE é complacente com Ricardo Coutinho

O deputado federal Benjamin Maranhão (PMDB) defendeu hoje à tarde a gestão realizada pelo tio, José Maranhão (PMDB), das críticas direcionadas pelo atual chefe do executivo, Ricardo Coutinho (PSB). Segundo Benjamin, a saraivada de queixas e denúncias partiria do secretário de Comunicação Institucional, Nonato Bandeira (PPS): "O secretário é o principal articulador desse Governo. Eles fazem muitas denúncias, mas não apresentam provas. Eles deveriam começar a governar e esquecer o governo de José Maranhão", disse em entrevista ao Tambaú Debate, da Tambaú FM.

Ainda em seu esforço para defender o Governo Maranhão III, Benjamin disse que seu tio não precisa ir a público para explicar os dados financeiros e negar o repasse de um "rombo" nas contas públicas estaduais: "Quem falou sobre isso foi o secretário de Finanças, Marcos Ubiratan. Ninguém melhor que ele para falar sobre as contas do Governo. Ele já provou que não existiu rombo algum. Tanto é verdade que José Maranhão pagou a folha de dezembro e o décimo terceiro dos servidores. O que foi criado foi uma cortina de fumaça pelo atual gestor. O maior articulador é o secretário de Comunicação, que juntou todas as dívidas de todos os tempos do Governo, aliando até os débitos da administração indireta, para criar uma dívida de R$ 1,3 bilhão. O tempo de fazer as acusações já se esgotou. O governo não tem uma proposta concreta e prometeu realizar 40 anos em 4. Até agora, ele não fez nada de efetivo. A inclusão das pequenas empresas nas compras governamentais já existe em lei. Não precisa o governo falar isso".

Sobre a recomendação do Ministério Público no sentido de exonerar os servidores temporários da estrutura do Governo do Estado, Benjamin disse que o órgão tem sido muito complacente com Ricardo Coutinho ao mesmo tempo em que estaria aplicando rigor no cumprimento da medida às prefeituras paraibanas. Segundo ele, não estaria havendo punição ao Governo, que teria apenas trocado os temporários indicados por José Maranhão por outros, politicamente ligados ao grupo do atual governador. Apesar de sua crítica, o deputado negou que haja ingerência política na atuação do MPE:

"Eu faço uma pequena observação porque o MPE tem sido muito benevolente com o governador enquanto as prefeituras estão sendo obrigadas a exonerar os prestadores de serviço. O assunto tem que ser resolvido. Se é pela legalidade, que o atual governador diz defender, tem que fazer concurso público. Resolve de vez. Não acredito em interferência no Ministério Público", resumiu.

Apesar de se dizer disposto a ajudar o Governo na atração de recursos para a Paraíba, especialmente no Canal do Brejo, que beneficia sua área de atuação política, o deputado federal Benjamin Maranhão não deu certeza de sua participação na reunião convocada para quinta-feira em Brasília com o governador Ricardo Coutinho e a bancada federal:

"Não recebi a pauta. Apenas o convite. Eu quero saber qual é a pauta", disse o deputado, que também confirmou na entrevista a disposição de disputar a prefeitura de João Pessoa: "Quero. Eu tenho essa pretensão. Acredito que tenho como contribuir para essa cidade. Nasci aqui, estudei e me formei aqui, onde mora minha família. Tive uma votação boa nessa cidade, quase 5% dos votos válidos. Há outros companheiros que também querem. Não quero antecipar  o debate político, mas vou continuar a visitar nossas bases e esperar os acontecimentos. Existe um entendimento com o PSDB de Cícero Lucena porque vamos enfrentar um rolo compressor".

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.