Bancários realizam assembleia na segunda para decidir paralisação

Os funcionários do Banco do Brasil realizam nesta segunda-feira (25) uma assembleia, das 8h às 18h, para discutir e deliberar sobre a paralisação das atividades em seus locais de trabalho, da 0h às 23h59, da próxima sexta-feira (29), em protesto contra a reestruturação imposta pela direção do BB. Por conta da pandemia da Covid-19, a assembleia será online. Além da previsão de fechamento de três agências, outras serão transformadas em Postos de Atendimento (PAAs). O plano de banco é demitir mais de cinco mil funcionários em todo o país e fechar mais de 300 agências.

Na Paraíba, atualmente, apenas 67 agências funcionam, juntamente com 36 postos de atendimentos (PAAs). O banco não revela quantas agências serão fechadas no estado, mas segundo os próprios funcionários, a previsão é que os locais encerrados sejam: a agência Parque Solon de Lucena, localizada no bairro de Tambiá e a agência do Jardim Cidade Universitária, ambas em João Pessoa. Já em Campina Grande, a agência Jardim Paulistano, na Avenida Assis Chateaubriand será encerrada.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Lindonjhonson Almeida, o momento é de unidade em torno da atual situação de desmonte pelo qual a empresa passa. “ Não vamos aceitar o fechamento de agências que comprometam a função social do Banco do Brasil, abandonando à sua própria sorte os pequenos municípios e o financiamento à agricultura familiar. Nós não podemos deixar um banco essencial ao desenvolvimento do país ser desmontado, nem ver jogada no lixo a sua história de 212 anos de serviços prestados à sociedade. Não vamos permitir que eliminem a função de caixa, nem que façam pressão para que cinco mil colegas percam seus empregos e fiquemos ainda mais sobrecarregados”, avaliou.

Segundo ele, o cenário de enfrentamento para tentar impedir que se efetive o plano de reestruturação já mobiliza parlamentares em todo o país e caso não haja negociação a possibilidade de uma greve poderá ser articulada. “Estamos buscando apoio na sociedade, nos movimentos sociais e no congresso nacional, mas precisamos demonstrar a nossa insatisfação, através da única arma que temos, que é a greve”, explicou.

 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.