Associação de Magistrados apóia queixa de juíza sobre ingerência política

O presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba, Antônio Silveira Neto, tomou conhecimento, através do Parlamentopb, da denúncia feita na última quinta-feira pela juíza da comarca de Teixeira, Isabela Joceane, sobre a pressão política exercida pelo ex-candidato a prefeito da cidade conhecido como "Nego de Guri" sobre os policiais locais. Silveira afirmou que o fato merece ser reprimido pelas autoridades da segurança e prestou apoio à magistrada, que divulgou o problema durante a realização de uma sessão especial realizada pela Assembleia Legislativa na cidade, por ocasião dos 150 anos de emancipação política.

"Nós apoiamos a juíza em seu pedido de apoio aos deputados e principalmente à bancada do Governo para que a polícia de Teixeira não seja influenciada por um político. Isso é absurdo. Não deve haver ingerência na atividade policial, assim como também não deve haver ingerência na Justiça. Neste caso, a magistrada não chegou a ser pressionada. Conversei com ela e ela disse que nunca falou com esse cidadão, mas, quando a polícia deixa de agir em determinados casos, acaba refletindo nas decisões judiciais, também", disse Silveira.

A juíza relatou que o ex-candidato a prefeito estaria ameaçando transferir funcionários da Segurança Pública que contrariem suas orientações. 

“Só estou aqui nesta sessão, porque chegou um policial em meu gabinete, dizendo que estava fazendo uma blitz, quando foi abordado pelo político, perguntando quem tinha determinado a ação policial”, denunciou a juíza na tribuna da sessão itinerante. 

Isabela fez quase todo seu pronunciamento sem citar o nome do político, mas ao final foi solicitada pela deputada Francisca Motta a dizer o nome dele e a juíza não hesitou: “É o Negro de Guri que está aqui presente e não deixa a gente trabalhar”.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.