Arthur muda seleção brasileira e é mais caçado que Messi na Copa América

Arthur bateu na trave para estar entre os convocados para a Copa do Mundo da Rússia de 2018. Sempre bem quisto pela comissão técnica da seleção, ele só não entrou na lista dos 23 porque despontou no Grêmio quando o grupo já estava praticamente formado. Seu prêmio de consolação foi estar na lista de suplentes. Agora, na Copa América, ele tem justificado a aposta de Tite e companhia em seu futebol. Hoje, contra o Paraguai, ele será titular ao lado de Allan e Coutinho no meio.

Com apenas dois jogos na competição, ele terminou a primeira fase como o jogador que mais sofreu faltas. São 12 recebidas, mais até do que Messi, que foi parado de maneira irregular em 10 ocasiões, segundo estatísticas do OptaJavier. Vale destacar que o argentino esteve em campo nas três partidas.

“É um pouco peculiar esse dado. Fiquei sabendo disso ontem, me falaram até em tom de brincadeira até. É que o torneio é um pouco mais ríspido, tem mais contato. Mas é normal, desde que seja de uma forma leal, acho que não tem problema. Eu recebi essa notícia com um pouco de surpresa”, afirmou Arthur na coletiva de imprensa pré-jogo.

Foi justamente por uma falta nos amistosos preparatórios, inclusive, que Arthur perdeu a estreia. No jogo contra Honduras, o meio-campista tomou uma pancada no joelho direito e precisou ficar em tratamento. Houve até risco de corte. Ele evoluiu bem, mas não pôde enfrentar a Bolívia.

Contra a Venezuela, Arthur precisou de poucos minutos para impor seu ritmo. Colocado como segundo homem no meio-campo, ele é um dos motivos da comissão para mudar o sistema tático. Mais perto de Casemiro, o atleta do Barcelona consegue desempenhar seu melhor futebol saindo do segundo terço do gramado, dando passes em profundidade.

Sua característica de roubar a bola e usar o corpo para proteger até achar um bom passe força o combate. Essa é uma das explicações para que ele seja tão visado pelos adversários. Sua chegada à frente, em compensação, é um dos problemas que a comissão tem tentado sanar, orientando o meio-campista a chegar mais perto da área.

Em uma das jogadas ensaiadas exaustivamente nos treinos, Arthur é responsável por entrar na área nas batidas de escanteio para bater de primeira. Ele já quase teve êxito com essa jogada, que também tem Daniel Alves como alternativa.

O mata-mata da Copa América serve para que Arthur se consolide como um dos jogadores mais importantes do grupo. Depois de ter tido um primeiro semestre muito bom no Barcelona, ele apresentou queda de produção e perdeu espaço na Espanha. Na seleção, no entanto, ele sempre teve a confiança de Tite e foi convocado para todos as partidas depois da Rússia-2018.

Esporte UOL

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.