Após pedido do MPF, Dnocs disponibiliza zelador para o Açude Jatobá II

Após solicitação do Ministério Público Federal em Patos (MPF), o Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs) lotou o servidor Fernando Tadeu de Lucena, na função de zelador do Açude Jatobá II, localizado em Princesa Isabel, no sertão da Paraíba.
 
Conforme o Ofício nº 164, de 12 de dezembro de 2013, assinado pelo coordenador estadual do Dnocs-PB, Solon Alves Diniz, caberá ao servidor operar e administrar o reservatório.
 
Em 19 de novembro de 2013, o MPF instaurou o  Inquérito Civil nº 1.24.003.000130/2013-58, com base em informações coletadas em reunião realizada com moradores da cidade de Princesa Isabel (PB), em  6 de novembro de 2013. Também em 19 de novembro de 2013, oficiou a Agência Nacional de Águas (ANA) e o  Dnocs e solicitou informações e providências.
 
Ao Dnocs, além da existência de zelador no açude, questionou-se como é realizado o controle da entrada de caminhões-pipa no reservatório e o controle de quem pode retirar água do local. À ANA foi solicitado que informe se realmente há risco de desabastecimento na cidade de Princesa Isabel (PB), bem como quais medidas podem ser implementadas para que esse risco seja minimizado. O MPF aguarda resposta por parte da agência.
 
Reunião – Na reunião com moradores de Princesa Isabel (PB), o MPF ouviu relatos de que o açude está com apenas 11% da capacidade de armazenamento, que não há racionamento na cidade e que se teme o desabastecimento de água em um futuro próximo.
 
Também foi relatado que caminhões-pipa, após fazerem as viagens para a Operação Pipa do Exército Brasileiro, dirigem-se ao Açude Jatobá II para retirar água para vender, tendo em vista a facilidade de acesso ao  reservatório e que o açude não tinha zelador. Além disso, alegaram que o açude está assoreado e que existe um furto cotidiano de água por pessoas sem outorga. Os moradores de Princesa Isabel (PB) temem que, se a situação permanecer, em fevereiro de 2014 o reservatório seque. 

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.