Após infecção pelo coronavírus, Otinaldo Lourenço morre no Dia do Rádio

Morreu na noite deste sábado, 13, o jornalista, radialista e advogado Otinaldo Lourenço de Arruda Melo, de 86 anos. Ele estava internado no Hospital Memorial São Francisco desde o início de fevereiro, contaminado pelo novo coronavírus. O jornalista já havia superado a Covid-19, mas permaneceu internado na UTI por causa de problemas no pulmão anteriores ao vírus. Posteriormente, teve também comprometimento dos rins.

Otinaldo era um grande conhecedor do rádio e foi o responsável por programas como Mesa de Redação, Antena Política, Dramas e Comédias da Cidade e o Plantão Arapuan, que tiveram grande audiência na capital paraibana. O também jornalista Petrônio Souto escreveu sobre ele: “Imaginou um rádio moderno, inspirado na BBC de Londres e na Rádio Jornal do Brasil, regido não mais pelo rádio-espetáculo, pelo entretenimento, mas pela notícia”.

Ironicamente, a morte de Otinaldo se deu justamente no Dia Do rádio.

Otinaldo era natural de Surubim, pernambuco, filho de um agrônomo paraibano que se mudou para o Estado vizinho. O jornalista veio para Alagoinha aos três anos e depois se mudou para João Pessoa, onde estudou, casou e constituiu família.

“Entrei no rádio a chamado de Evaldo Wanderley que não queria ser médico como a família queria. Ele gostava de esportes e dirigia um programa na rádio Arapuan. Ele era meu vizinho e me chamou para ajudá-lo”, contou sobre seu ingresso no radiojornalismo.

Otinaldo era irmão do historiador Luiz Octávio de Arruda Melo e primo de terceiro grau da apresentadora Larissa Pereira, da TV Cabo Branco. “Tinha orgulho de me ver, como única da nova geração da família, seguindo no Jornalismo”, contou ela.

No programa Câmara Aberta, da TV Câmara de João Pessoa, Ademilson José e João Pinto entrevistaram Otinaldo.

Pesar – O governador João Azevêdo lamentou o falecimento de Otinaldo Lourenço, considerado figura muito importante na memória do rádio paraibano.

Ele implantou o jornalismo e o setor de esportes da rádio Tabajara. Entre os anos 1950 e 1970, Otinaldo Lourenço provocou uma verdadeira revolução no rádio paraibano com uma nova maneira de se fazer jornalismo neste veículo, mais precisamente na Rádio Arapuan, a qual comandou por vários anos.

Neste momento de profundo pesar, o governador João Azevêdo expressa sua solidariedade aos familiares e amigos de Otinaldo Lourenço, cuja perda deixará uma lacuna no meio jornalístico e radiofônico da Paraíba.

O Sindicato dos Jornalistas também lamentou a morte do profissional:

A Diretoria do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba expressa seu profundo pesar pelo falecimento ocorrido na noite deste sábado, 13, do jornalista Otinaldo Lourenço, uma das lendas do radiojornalismo paraibano.

Otinaldo foi um mestre que conseguiu unir qualidade e popularidade. Responsável pela modernização da Rádio Arapuan, imprimiu na grade de programação da emissora um estilo que lembrava a BBC de Londres e ao mesmo tempo agradava o gosto mais popular.

Referência no jornalismo, intelectual respeitado e um apaixonado pelas ondas hertzianas, Otinaldo se despediu no Dia do Rádio, uma de suas grandes paixões e à qual deu inestimável contribuição.

Nossos sinceros sentimentos à família, amigos e admiradores de Otinaldo Lourenço. Um nome que na vida e na morte se confunde com a história do nosso rádio.

A DIRETORIA

1 comentário

  • FLAVIANO JORGE
    20:48

    Tive o prazer de trabalhar com ele na Junta Comercial do Estado. Era uma figura humana de primeira. Vai fazer falta. Que Deus lhe conceda a paz eterna e o receba de braços abertos. Amigo, sentirei saudades da sua convivência.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.