Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

‘Animais na pista’ e ‘A fome de Lázaro’ atestam a potência da narrativa de curta duração

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Cada narrativa cinematográfica demanda um formato específico. O curta-metragem, seja ficção ou documentário, busca sua eficiência na capacidade de síntese ao narrar ou expressar ideias sobre o mundo. Dois curtas-metragens paraibanos – ‘Animais na pista’ (Otto Cabral, 2021) e ‘A fome de Lázaro’ (Diego Benevides, 2020) – surpreendem não só pelo tema que tratam, mas pela eficácia narrativa. O primeiro, uma ficção, discute o lado obscuro do ser humano; o segundo, uma não-ficção, documenta a festa de São Lázaro numa comunidade do sertão paraibano.

O cinema começou com filmes de curtíssima duração (menos de um minuto) a partir de 1895. Só sete anos depois, em 1902, o prestidigitador francês Georges Méliès leva o cinema a uma aventura narrativa com ‘Viagem à Lua’. Com duração de 14 minutos, era o filme mais longo até então, o que instigou os demais cineastas da época a utilizar o cinema para contar histórias. Foi o caso do norte-americano Edwin Porter que estreia dois curtas em 1903: ‘A vida de um bombeiro americano’ e ‘O grande assalto do trem’ onde já verificamos sua preocupação com a continuidade visual. É D. W. Grifith, também estadunidense, quem vai aprimorar a narrativa cinematográfica com uma série de curtas de 10 a 20 minutos entre 1908 e 1911 até chegar ao seu primeiro longa ‘Judith of Bethulia’, em 1913.

Com a consolidação das narrativas de longa-metragem, imaginou-se que as narrativas curtas estavam fadadas ao desaparecimento, contudo, nos anos 1920, as vanguardas (impressionismo, dadaímo, expressionismo, futurismo entre outros “ismos” mais) se apropriam do cinema e se lançam à experimentação, demonstrando que não só de narrativas vive o cinema e trazendo à luz obras revolucionárias dos vanguardistas Fernand Léger (‘Ballet Mécanique’, 1924), Germaine Dulac (‘La coquille et le clergyman’, 1926), Marcel Duchamp (‘Anémic Cinéma’, 1926), Luis Buñuel (‘Um cão Andaluz’, 1929) e Salvador Dali (‘L’Age d’or’, 1930), entre outros.

Embora o cinema narrativo seja a forma dominante de produção, o curta-metragem ainda atrai diretores longa-metragistas. O exemplo recente vem do espanhol Pedro Almodóvar que surpreendeu o mundo com o lançamento em diversas plataformas do curta-metragem ‘Human voice’, sua primeira produção na língua inglesa. Com estreia na última edição do Festival de Veneza, o curta de 30min de duração é uma adaptação de uma peça do francês Jean Cocteau e traz a atriz britânica Tilda Swinton como uma mulher recém-abandonada pelo companheiro.

Voltemos aos curtas paraibanos – que na semana passada fizeram bonito na 49ª edição do Festival de Cinema de Gramado. ‘A fome de Lázaro’, documentário dirigido por Diego Benevides, foi reconhecido como o Melhor Curta-Metragem da mostra competitiva nacional e, de quebra, levou ainda o troféu de Melhor Direção de Arte (Torquato Joel). ‘Animais na pista’, ficção de Otto Cabral, por seu turno, foi agraciado com a Melhor Fotografia (Rodolpho de Barros) e Melhor Trilha Sonora (Eli-Eri Moura), concorrendo com filmes de mais oito estados.

Para discutir os limites entre a civilidade e a barbárie, Otto Cabral condensou, em uma única cena – um acidente de carro numa estrada ao anoitecer – sua reflexão sobre a capacidade humana de se deixar levar pelos sentimentos mais vis. Num belo plano-sequência (de fazer inveja a Orson Welles de ‘A marca da maldade’), embalado pela bela composição de Eli-Eri Moura, todo o drama é narrado em 10 minutos de enredo com apenas uma frase de diálogo. A montagem cirúrgica de Ely Marques disfarça um ou dois cortes do engenhoso plano-sequência.

O que ‘Amimais na pista’ põe na roda são questões cruciais do que chamamos humanidade. O que um acidente pode revelar da índole humana? Otto nos provoca com esse breve enredo (um fragmento de uma história potencialmente maior) a olharmos para nós mesmos e a questionarmos sobre nossos limites éticos. Numa narrativa curta e com a força de sua mensagem, é irrelevante sabermos mais do que nos é dado de seus personagens, até porque sua fotografia em claro-escuro de frenética intermitência (faróis e lanternas da ambulância e da polícia) não nos permite uma visualização mais clara da cena, exigindo do espectador uma atenção redobrada. O roteiro de Otto Cabral é uma adaptação livre do conto ‘Relato de uma ocorrência onde qualquer semelhança não é mera coincidência’, do escritor mineiro Rubem Fonseca (1925-1920).

‘A fome de Lázaro’, por sua vez, já chegou ao Festival de Gramado respaldado pela seleção e prêmios em importantes festivais no exterior: Vision du Réel, Suíça, e Mumbai Shorts International Film Festival (prêmio de Melhor Montagem), em 2020; Miradas Doc, 2021, em Tenerife, Espanha; no International Symbolic Film Festival, na Rússia (2021), onde foi agraciado com o troféu de Melhor Documentário; e no 10th Bangalore Shorts International Film Festival, na Índia, onde o filme foi reconhecido com o troféu de Melhor Fotografia. ‘A fome de Lázaro’ foi ainda selecionado para festivais do Reino Unido, Itália, França, Croácia e Colômbia.

Fundador da produtora Extrato de Cinema, na capital, o talento de Diego Benevides para a narrativa documental foi revelado no curta-metragem ‘A queima’ (2013), onde o diretor mistura realidade e fantasia para abordar o imaginário da população da zona canavieira. Com fotografia de Antônio Ternura e som de Nicolas Hallet, ‘A fome de Lázaro’ documenta um festejo religioso para revelar o imaginário e crença de uma comunidade rural no alto sertão da Paraíba. Sua narrativa é carregada de suspense que atiça no espectador a curiosidade sobre as pequenas ações e gestos do ritual da gente do lugar na preparação de algo importante que está para acontecer. Expectativa expressa na ansiedade dos cachorros à espera do banquete oferecido a São Lázaro, cuja revelação nos surpreende no final.

Para Ely Marques (in memorian)

 

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

UEPB: uma crise democrática

Confusão continua: TRE nega ter chancelado posse de Raissa Lacerda na Câmara

Anteriores

Wellington Farias 2

Wellington Farias será homenageado no Caminhos do Frio em Serraria

Paulo Braz de Moura, prefeito Poço José de Moura

Pleno do TJPB recebe denúncia contra prefeito de Poço José de Moura

Harrison Targino, presidente da OAB-PB

OAB-PB aprova resolução que atualiza tabela de honorários da advocacia previdenciária

Cícero Lucena assina ordem de serviço na Penha

Cícero autoriza obras na Penha, que vai chegar a 100% das ruas pavimentadas

Chuvas e rede elétrica

Meteorologia prevê fim de semana com chuvas em João Pessoa, Campina e outras cidades

Forró Preto no Branco

Funjope leva autêntico forró nordestino para mercados públicos nesta sexta

Santanna no são joãode cg

Santanna e Zé Vaqueiro abrem nesta sexta-feira o São João de Bananeiras

Cícero e o Crea-pb

Crea-PB e Prefeitura de João Pessoa Firmam acordo de cooperação técnica

João Azevêdo 26

João autoriza aumento no número de convocados do concurso da PM e Bombeiros

Lily Sanfoneira

Projeto Café no Forró continua neste fim de semana na Usina Cultural Energisa