Notícias de João Pessoa, paraíba, Brasil

AmBev sofre multa recorde de R$ 352 milhões

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

A AmBev foi condenada por prejudicar a concorrência no mercado de cerveja e terá que pagar uma multa de R$ 352.6 milhões, a maior da história do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). O órgão condenou a cervejaria por unanimidade.

De acordo com a Folha Online, a Ambev teria exigido a exclusividade dos seus produtos em pontos de venda e também teria inibido a comercialização de outras marcas. Para o Conselho, consumidores e marcas foram prejudicados. "Os consumidores são os mais prejudicados. Não terão eles nem a variedade nem os preços desejados", afirma Fernando de Magalhães Furlan, relator do processo.

A multa equivale a 2% do faturamento bruto da cervejaria em 2003, um ano antes do início do processo. Atualmente, a empresa concentra 70% do mercado de cerveja, com várias marcas, entre elas Antarctica, Brahma e Skol. Também foi determinado pelo Cade o fim do funcionamento dos programas de fidelidade que exigem exclusividade. Caso a Ambev não cumpra a decisão, a multa será de R$ 53,2 mil, por dia.

O processo contra a empresa teve início em 2004, quando a Schincariol denunciou os programas de fidelização de pontos de vendas "Tô Contigo" e "Festeja". Segundo a concorrente, a Ambev estava oferecendo acordos de exclusividade, descontos e bonificações para comercializar as bebidas da empresa, o que prejudicaria as outras marcas.

Segundo a Schincariol, as práticas da cervejaria teriam reduzido a participação da Nova Schin e da Kaiser no mercado, cerca de 20% cada. Já a Ambev teria acumulado 8,5%, principalmente com o crescimento da participação da Antarctica com 56,37%.

A procuradoria do Cade, a Seae (Secretaria de Acompanhamento Econômico), do Ministério da Fazenda e a Secretaria de Direito Econômico recomendaram ao conselho a condenação.

Defesa da Ambev

A cervejaria afirmou que os programas de fidelização seriam legais e eram benéficos para consumidores e pontos de venda. "Ao primeiro, porque poderia adquirir produtos com desconto, e, ao segundo, por receber material publicitário específico que lhe permitiria alavancar suas vendas", informou a Ambev.

Ainda de acordo com a empresa, pontos de vendas que aderiram aos programas não sofreram sanções e vendiam outras marcas. Mas admitiu que na primeira fase do "Tô Contigo", participantes que comercializassem outras marcas eram desligados, pois não se enquadravam no perfil.

Redação Adnews

Tags

Leia tudo sobre o tema e siga

MAIS LIDAS

Exaustão, sobrecarga… por que não reconhecemos os nossos limites?

Presidente do PT é acusado de cometer etarismo contra Luiz Couto

Incidente no Restaurante Garden: entenda o que realmente aconteceu

Anteriores

joaobelga

Paraíba terá Centro de Distribuição e fábrica de esquadrias de PVC de empresa da Bélgica

Artêmio Picanço, advogado

Advogado considera “surreal” decisão da Justiça da Argentina pela prisão domiciliar de Antônio Neto; veja

Igreja Matriz de Monteiro

Polícia procura mulher suspeita de furtar dinheiro de ofertas da Igreja Matriz, de Monteiro

PF Operação Rescue

Operação da PF prende homem por armazenar imagens de abuso sexual de crianças

Concurso, freepik 1

MP recomenda retificação de edital do concurso para Guarda Civil de Santa Rita

PF operação Pombo, Objetos encontrados em casa de funcionários dos correios

PF investiga desvio de encomendas dos Correios e apreende objetos em casa de servidor

João Pessoa linda demais, secom pb

João Pessoa é destaque entre os Top 10 Destinos de Viagem para o mês de julho

Fábio Andrade, procurador-geral do Estado

Estado aprova lista de acordos diretos de precatórios com 593 propostas e R$ 78 milhões

Sérgio Moro 22

Por unanimidade, TSE rejeita cassação do mandato de Sergio Moro

Perilo Lucena, juiz

Ação alerta contra abuso e exploração sexual infantil nos festejos juninos de CG