Alianças nos Estados não seguem lógica do plano federal, diz Marina

A ex-ministra Marina Silva afirmou neste domingo (15) que a aliança da Rede com o PSB do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, "não é verticalizada" e admitiu que os dois partidos podem não estar juntos em alianças nos Estados nas eleições de 2014.
 
Questionada em entrevista coletiva sobre as divergências entre a Rede e o PSB nos Estados, ela afirmou que não há obrigação de se repetir a lógica nacional –pela qual a Rede se uniu ao PSB para apoiar a candidatura presidencial de Campos.
 
"A nossa aliança não é verticalizada, não estabelece para a lógica dos Estados a mesma lógica que temos no plano federal", disse Marina.
 
E citou um exemplo: "Em alguns casos, como do Paraná, a Rede está apoiando a candidatura do PV, da deputada Rosane [Ferreira], e o PSB está mantendo o mesmo processo de discussão que já estava com o PSDB".
 
Outro problema é em São Paulo, onde a Rede rejeita o apoio à reeleição do governador Geraldo Alckmin (PSDB), que é defendido por setores do PSB que querem aproveitar o palanque de Alckmin para Campos.
 
Segundo Marina, a estratégia é discutir primeiro o conteúdo programático da candidatura nacional para que isso ajude na composição das alianças regionais. "O conteúdo não pode ser incoerente com a forma", afirmou.
 
Campos reconheceu as dificuldades. "Problemas nos Estados o nosso partido dentro dele próprio já tem, imagina quando a gente soma os dois", brincou.
 
O pernambucano fez referência, sem citar diretamente, às dificuldades que o PT também enfrenta para manter alianças regionais. "Ora, há 90 dias [antes de se juntar à Rede] estávamos em uma linha, fizemos outra e hoje a gente tem muito menos [problema] do que eles que vivem juntos a todo tempo", disse.
 
Campos diz que hoje há 20 Estados "com caminho muito tranquilo entre a militância da Rede e o PSB" e que, nos Estados onde os dois partidos tiverem alianças diferentes, vão se juntar "à coligação que vai ter mais coerência de cima abaixo".
 
Ambos participaram neste domingo do primeiro seminário programático da Rede, realizado em Brasília e que também teve a presença de integrantes do PSB.
 
Em discurso, Campos afirmou que "não precisamos ficar dando explicação um ao outro sobre posição que tomamos".
 
Em outubro, após ter o registro partidário negado pela Justiça Eleitoral, a Rede decidiu se filiar ao PSB e apoiar Campos em 2014. A aliança, porém, afastou representantes do agronegócio com os quais o PSB estava dialogando e forçou a rediscussão de alianças nos Estados.
 
 Folha de S. Paulo

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.