Aesa diz que tempo deve permanecer instável na Capital e outras cidades

Previsão da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) aponta que o tempo  deve permanecer instável na capital e nas cidades localizadas nas regiões do Litoral, Brejo e Agreste, com possibilidades de chuvas fortes, rajadas de ventos e trovoadas nas próximas horas.

A Aesa registrou 71 milímetros de chuva em João Pessoa entre as manhãs de terça (12) e desta quarta-feira (13). O número equivale a 70% da média histórica durante o mês de fevereiro.

De acordo com o setor de Monitoramento e Hidrometria da Aesa, na manhã desta quinta-feira, em apenas uma hora, João Pessoa recebeu 30,4 milímetros de chuva, ou seja, cerca de 30% da média histórica de fevereiro.

“Estes índices pluviométricos foram provocados por um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis (VCAN), que está contribuindo para o aumento da nebulosidade sobre grande parte do Estado. Nesta quinta-feira, as chuvas de intensidade moderada a forte poderão se estender, de forma mais localizada, nas regiões do Agreste, Brejo e Litoral”, informou o meteorologista Danilo Cabral.

Ao todo foram registradas chuvas em 42 cidades. Além de João Pessoa, também choveu forte em Jacaraú (46,4 mm), São Sebastião de Lagoa de Roça (46,1mm), Baía da Traição (42,2 mm) e Mataraca (34,6 mm). O ranking das cidades com maiores índices pluviométricos durante o mês de fevereiro tem Nova Floresta (351,1 mm) na liderança, seguida por Lagoa (291,7 mm), Rio tinto (243,5 mm), Monte Horebe (235,2 mm) e Poço de José de Moura (232,6 mm).

Apesar das chuvas, a maior parte dos açudes monitorados pela Aesa ainda possui pouca água. Dos 128, 36 estão com menos de 5% do volume total. Outros 40 têm menos de 20% e 51 reservatórios possuem com capacidade superior a 20%. Apenas um está sangrando: São José II, em Monteiro.

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.