Mário Tourinho

Administrador, pós-graduado em Planejamento Operativo, já atuou na administração pública federal, estadual e municipal


A Semob de Cícero e as faixas de pedestre (I)

Inicialmente um esclarecimento quanto a mencionar, no título acima, “… Semob de Cícero …”, em vez de apenas Semob-JP. É que pretendo referir-me a uma ação específica do referido órgão municipal de mobilidade urbana, ação esta já efetivada na gestão do prefeito Cícero Lucena, ou seja, bem recente, mais exatamente dias 7 e 8 deste mês. Corresponde à retomada das campanhas de conscientização para uso das faixas de pedestres, nestes casos com a equipe da Divisão de Educação para o Trânsito fazendo-se presente em avenidas do Bairro dos Bancários, isto na quinta feira (7) e, na sexta feira subsequente, no Parque da Lagoa!

Aplausos, pois, à Semob-JP por esta retomada, trazendo a esperança de que tão necessária campanha tenha realização contínua, tal sua indispensabilidade. Lembremo-nos todos de que lá no começo da priorização na implantação de faixas de pedestres, inclusive com bem pedagógicas peças publicitárias com a participação do renomado ator paraibano Luiz Carlos Vasconcelos (que está na novela “Flor do Caribe”), João Pessoa, naquele tempo, passou a ser vista como uma das cidades brasileiras em que mais havia respeito a tal sinalização horizontal, tanto pelos próprios pedestres (que procuravam só atravessar a artéria dentro da faixa e com prévio estender do braço/mão, quanto pelos condutores dos veículos automotores, tendo até sido realizada uma pesquisa que apontou serem os motoristas dos ônibus os mais obedientes à faixa de pedestre).

A missão da(s) Semob(s) – seja a de Cabedelo, seja a de Campina Grande (lá identificada como STPP), qualquer que seja – é, sobretudo nestes tempos de cidades fortemente urbanas e com seus incontáveis veículos disputando os espaços físicos e quase nada ficando para os pedestres, é – repita-se – uma missão extremamente complexa e que precisa ser encarada juntando técnica, bom senso e até coragem para o enfrentamento das incompreensões que surgem de um ou outro segmento.

Note-se, por exemplo, o atendimento que foi feito pela Semob-JP a pleitos do segmento do pedal em relação à ciclo-faixa da avenida Rui Carneiro. Os ciclistas obviamente aplaudem. E os condutores de veículos que saem da avenida Epitácio Pessoa, em destino à BR-230, via Rui Carneiro?!… Estão aplaudindo?!…A Semob de Cícero e as faixas de pedestre (I)

Inicialmente um esclarecimento quanto a mencionar, no título acima, “… Semob de Cícero …”, em vez de apenas Semob-JP. É que pretendo referir-me a uma ação específica do referido órgão municipal de mobilidade urbana, ação esta já efetivada na gestão do prefeito Cícero Lucena, ou seja, bem recente, mais exatamente dias 7 e 8 deste mês. Corresponde à retomada das campanhas de conscientização para uso das faixas de pedestres, nestes casos com a equipe da Divisão de Educação para o Trânsito fazendo-se presente em avenidas do Bairro dos Bancários, isto na quinta feira (7) e, na sexta feira subsequente, no Parque da Lagoa!

Aplausos, pois, à Semob-JP por esta retomada, trazendo a esperança de que tão necessária campanha tenha realização contínua, tal sua indispensabilidade. Lembremo-nos todos de que lá no começo da priorização na implantação de faixas de pedestres, inclusive com bem pedagógicas peças publicitárias com a participação do renomado ator paraibano Luiz Carlos Vasconcelos (que está na novela “Flor do Caribe”), João Pessoa, naquele tempo, passou a ser vista como uma das cidades brasileiras em que mais havia respeito a tal sinalização horizontal, tanto pelos próprios pedestres (que procuravam só atravessar a artéria dentro da faixa e com prévio estender do braço/mão, quanto pelos condutores dos veículos automotores, tendo até sido realizada uma pesquisa que apontou serem os motoristas dos ônibus os mais obedientes à faixa de pedestre).

A missão da(s) Semob(s) – seja a de Cabedelo, seja a de Campina Grande (lá identificada como STPP), qualquer que seja – é, sobretudo nestes tempos de cidades fortemente urbanas e com seus incontáveis veículos disputando os espaços físicos e quase nada ficando para os pedestres, é – repita-se – uma missão extremamente complexa e que precisa ser encarada juntando técnica, bom senso e até coragem para o enfrentamento das incompreensões que surgem de um ou outro segmento.

Note-se, por exemplo, o atendimento que foi feito pela Semob-JP a pleitos do segmento do pedal em relação à ciclo-faixa da avenida Rui Carneiro. Os ciclistas obviamente aplaudem. E os condutores de veículos que saem da avenida Epitácio Pessoa, em destino à BR-230, via Rui Carneiro?!… Estão aplaudindo?!…

Comentários

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.