ParlamentoPB.com.br
 
Retrospecto

Eu tinha desistido de escrever. Motivo: não encontrava assunto que já não estivesse tão saturado nas redes sociais ou nas bocas mundo afora. Ando, ultimamente, atordoado com alguns dissabores pessoais e profundamente incomodado com a intolerância alheia. Tive preguiça de desejar "feliz natal" para muita gente e fui dormir às 22h na noite de réveillon, porque estava ressabiado dos meus sentidos e desacreditado de formalidades até para com amigos e familiares; um cinismo sem fim disfarçado de antipatia. Contudo, mesmo dentro desta tormenta interna, procurei manter alguns hábitos que me despertam sentimentos profundos, que me fazem ver que ainda pulso e que talvez ainda haja alguma possibilidade de fuga ou solução, talvez não tão antenado ou aberto a coisas previsíveis, mas ao que me faz chorar, quer seja a dor ou a alegria. 
 
O início do ano já veio cravado com o que estou denominando, agora, de "ciclo perdido", pois como se não bastasse a partida de algumas figuras públicas que povoam o meu imaginário ( e o torna mais cheio de graça e som), constato algo que não queremos, não esperamos e não estamos, definitivamente, preparados: a necessidade de dizer adeus a alguém do nosso convívio. Se lidar com uma viagem já é um saco, pois com ela vem a descontinuidade das coisas, dizer "adeus", então, é de certa forma tentar se preparar para uma ausência que gritará no nosso coração por todo o sempre. Sim, meu sempre grande amigo Marconny Mello se foi e estou há três dias sem dormir direito, e mesmo procurando nadar (me distraindo, diga-se) neste  rio particular de máculas e lágrimas, um incessante filme de filtro comum com  um nostálgico baú de recordações me vem à tona, com uma precisão como a cereja que decora o bolo todo branco, mas em forma de catarse. Para mim, tal qual lidar com a perda de um livro emprestado e jamais devolvido, deve ser de grande préstimo a quem o faz. Mas, e alguém com quem dividimos tantas histórias juntos? Qual o sentido disso tudo? É para vida ter algum valor? Árdua questão! E diante desse turbilhão de interrogação, recordo-me do que disse Elis Regina, numa entrevista: “... De qualquer forma, é muito triste as pessoas só saberem que a gente gosta delas depois que elas se foram.” Mas discordo, pois quem fica sabendo são os outros, e não acredito muito nesse calor de massa, pois tem algo de modismo nisso tudo e como não sigo tendências, fico enjoado.
 
Rotina é algo realmente incrível na minha vida. Se você não tem  uma, recomendo inventar o quanto antes (sim, com todo o senso de urgência de que se tem direito), até para se chatear e procurar se mover de sua porcaria de zona de conforto, para não saturar a sua existência, essas coisas... Preciso voltar ao silêncio e continuar fuçando esse labirinto interno, deixando como migalhas meus livros e discos, para poder prosseguir e, quando sentir necessidade, voltar. Quero conquistar através de minha jornada solitária um pouco mais de empatia. Sim, preciso urgentemente ser mais empático e até enfático com algumas coisas e aspectos. Ter um pouco mais de bom senso e fazer disso algo bem comum. Ter mais respeito por mim mesmo e propagar algo de respeitoso a você, que lê estas linhas, e quem sabe eu seja vitorioso lhe dando ou despertando um (novo?) rumo, com base em boas palavras. 
 
Quero me colocar devidamente  no meu lugar, vislumbrando e desejando, assim, o seu, seja ele qual for. Porque só o que me é conveniente não pode ser válido, certo? Então, quero ser tão sábio ou esperto (isso vai depender da sua ótica quanto a mim como pessoa ou indivíduo dentro de todo esse contexto), para saber que dentro de você existe um mundo inteiro, aí você faz o mesmo comigo, e quando formos tocar neste solo sagrado que defendemos com unhas e dentes (na maior potência de nossa tola vaidade), que o façamos  com muita RESPONSABILIDADE. 
 
Por fim, vou deixar o meu autoritarismo sarcástico social um pouco de lado e procurarei parar de ACHAR que ser um cidadão comum é excluir a existência ou opinião do meu semelhante (do outro mesmo). Bom, o café está esfriando. E a manhã nasceu com sol ainda mais quente. Vou cuidar de algumas coisas por aqui... Até! 
 
 
MauricÚlio Avelino


2009 - 2017 - Parlamentopb.com.br - Todos os direitos reservados