Início Contato Editorial
ParlamentoPB







O conteúdo disforme
 
No princípio eu gostava do método. Depois, quando percebi que a essência das coisas era, na verdade, o conteúdo, passei a repudiar a forma! Mas o tempo passou, e a maturidade, que começa a aparecer e ganhar espaço na vida da gente, insiste em me mostrar que o método é encantador...
 
A música nos emociona não apenas por causa da letra. A melodia, o arranjo, o timbre da voz, o tipo dos instrumentos são determinantes! O escritor se notabiliza não só pelo que escreve, mas pela forma como faz das palavras, arte. O professor que a gente mais gosta é aquele que tem um método que favorece o aprendizado, porque o conhecimento não basta... Estudar não é simplesmente ler, mas organizar as leituras... Um perfume agradável num frasco sem graça é um perfume sem graça; ninguém quer dar de presente...
 
Na comunicação, a forma é quase tudo. Ouvi falar de um estudo, através do qual constatou-se que 80% das brigas entre os casais pesquisados se davam em torno de assuntos com os quais ambos concordavam. Descobriu-se que as discussões eram ocasionadas tão somente pela forma com o outro falava. Uma voz calma e educada acalma e educa... E quem grita perde a razão, não é mesmo? A aparência pode estragar a essência...
 
Digo isso para falar de algo tão caro para mim, pelo reconhecimento e o respeito que tenho para com os militantes e os movimentos sociais, que sacodem o nosso país com a coragem e a bravura da ideologia, livrando-nos da inércia subserviente, elevando-nos de súditos a cidadãos, ativos e participativos, amedrontando governantes, destronando déspotas e fazendo a justiça acontecer... As manifestações populares tornam a democracia viva e real, relembrando-nos de que o poder emana é do povo!
 
Mas quero falar de forma. De método. Das estratégias de luta e resistência adotadas nessas mobilizações. Sabemos que é preciso incomodar, porque o desconforto gera mudança. Ninguém age sem um impulso e ninguém deixa de agir sem a atuação de uma força contrária e de igual intensidade (isso vale para a física e para a política). No entanto, incomodar "quem" e "como" me parece diferencial.
 
Devemos ter a humildade de reconhecer que a força das manifestações está na adesão. Na adesão do homem comum do povo, numeroso porém não engajado, muitas vezes averso à política. A militância exclusiva dos militantes, apesar de bonita, louvável e exemplar, não tem força, porque não tem número... Conquistar, atrair, agregar pessoas é a alma do negócio. E a experiência tem me mostrado que não se conscientiza um adepto atrapalhando a vida dele, porque a primeira impressão é a que fica e você já o aborreceu. A partir daí ele não te escuta mais...
 
Não podemos esquecer que no meio de uma demanda coletiva existem inúmeras necessidades individuais, que podem ser irrelevantes, mas também tão ou até mais importantes. E isso deve ser considerado, porque o ser humano é egoísta. Imagino meu cachorrinho tendo uma turica, um piripaque. O que seria mais importante: o "fora Dilma", "fora Temer", a PEC 55 e a reforma da previdência, que param a avenida principal e me impedem de chegar a tempo no hospital de bichos; ou a possibilidade de salvar a vida dele nesse dia? Lamento dizer, meu colega, mas o colunista não é virtuoso. Eros não pode morrer, porque eu o amo! Você sabe o que é amor?
 
Os manifestantes tocaram fogo no meio da rua, ganhando o medo e a fúria de centenas de motoristas e milhares de passageiros, apressados e necessitados... Depois, ocuparam um prédio público, interrompendo a prestação do serviço, adiando compromissos e frustrando as expectativas das pessoas... Quando desocuparam, deram muito trabalho às proletárias terceirizadas, que, no dia seguinte, tiveram de remover pichações com bucha, detergente e braço, muito braço, além de desinfetar o chão de urina de algumas repartições. Agora, os funcionários estão apurando as perdas: vidraças, notebooks, HDs externos, pendrives e alguns iPhones lacrados e destinados a leilão. Infelizmente, o método subverteu a civilidade e virou caso de polícia...
 
Será difícil perceber que estamos incomodando os sujeitos errados da forma errada? Lembra da longa greve das universidades federais, que nem incomodou o governo? Mas o que diriam os milhares de estudantes universitários comuns do povo?
 
A forma bela com conteúdo nefasto é como o lobo vestido de cordeiro, do Cristo... Mas quem quer chegar perto de um doce e fiel cordeiro travestido de lobo? A forma violenta de uma ideia pacífica é violência...
- Mas isso foi por que mesmo, hein?
- Sei não... Parece que era aquela história de TEC 45, PEC 55, que passa no jornal...



Leonardo Dantas
Servidor público por precisão, jurista por formação e educador por paixão. É mestrando em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas, pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB. Mantém o blog Impressões das coisas... Contato: leonardodantas09@gmail.com


    Imprimir

 
Outros textos